Como resolver um endividamento extremo

14 de Julho de 2012

Por vezes chegam até mim proprietários extremamente endividados, com as suas casas à beira da penhora, ou até mesmo penhoradas. Para complicar, por vezes o valor de mercado das suas casas está abaixo do valor da dívida. Enfim, uma situação muito complicada. O que fazer?

Como resolver um endividamento extremo

Como resolver um endividamento extremo

Então …

Como resolver um endividamento extremo

A primeira coisa a fazer é refletir sobre a nossa atitude e acreditar neste facto verdadeiro:  Há sempre qualquer coisa que pode ser feita para melhorar qualquer situação! Esta é uma questão de atitude que deve ter em conta para poder sair do buraco.

A segunda coisa a fazer é aceitar o facto de que o que cura pode arder – a solução para melhorar pode não estar de acordo com a sua expectativa mais otimista. Mas se for a melhor solução, deve aceitá-la e, mais do que isso, aplicá-la com coragem e determinação.

A terceira coisa a fazer é um diagnóstico realista, verdadeiro e não escamoteado:
– qual é o valor da dívida?
– quanto vale a minha casa para venda efetiva?
– qual será a minha situação após venda? Poderei eu suportá-la?
– será que arrendar a casa é solução? Quanto pode render por mês? Onde é que eu vou viver?

Quanto mais realista for o diagnóstico melhor!

A quarta coisa a fazer é falar com o banco, seja qual for a situação em você esteja. Nunca, em caso algum, corte comunicação com o banco! Eles querem objetivamente conseguir uma solução que não envolva ficarem com a sua casa. Pode ser que em alguma circunstância excepcional o banco tenha outro entendimento, mas essa não é a regra.

Peça ao seu banco que o ajude a determinar quais são as suas opções. Junte essas opções ao seu diagnóstico inicial.

A quinta coisa a fazer é ir à DECO. Neste link, a DECO explica como pode ajudar pessoas sobre-endividadas:

http://www.deco.proteste.pt/dinheiro/orcamento-familiar/dossie/travar-sobre-o-endividamento

 

A DECO aconselha sobre-endividados

A DECO aconselha sobre-endividados

Oiça bem o que eles lhe disserem e junte essas conclusões ao seu diagnóstico inicial. Se lhe for recomendado, volte a falar com o seu banco.

Em qualquer circunstância em que se encontre, mantenha a todo custo a sua qualidade de trabalho. Todos nós sabemos que as dificuldades muitas vezes nos desmotivam e isso acaba por nos afetar profissionalmente. No entanto, tudo o que você tem quando está extremamente endividado é a sua capacidade profissional para ganhar o dinheiro suficiente para pagar as suas dívidas. Logo é a última coisa que você pode perder.

Se estiver desempregado, concentre-se em conseguir uma nova colocação. Lembre-se de que o ótimo é inimigo do bom. Se não conseguir um emprego melhor, comece por aceitar um menos bom. Lembre-se que para uma pessoa que esteja sobre-endividada cada euro conta.

Se a situação for mesmo muito complicada e se não houver emprego em Portugal, considere a possibilidade de ir procurar uma colocação além- fronteiras. Lembre-se que uma solução imediata não tem que ser uma escolha para a vida.

Se estiver na situação que eu descrevo, ou se conhecer alguém que esteja nesta situação, poderá pensar que é fácil falar. E tem toda a razão! Pensar em soluções quando se está de fora é mais fácil porque a razão não é toldada pela dor, angústia e desconforto. quando você vai ao médico você recebe tratamentos de um profissional que não está a sentir a sua dor nem a sofrer com as suas feridas. É por isso que ele é a pessoa indicada para o atender.

Caso a venda do imóvel seja possível e seja uma parte importante da solução, então o proprietário deve apostar tudo na venda! Dado que o proprietário tem mesmo muitas variáveis para controlar e a venda tem mesmo que ser rápida, a minha recomendação (salvo soluções melhores) é que aposte numa promoção em exclusivo numa agência forte que tenha este regime como principal. Escolha um agente forte e ético. Esse agente será realista consigo como você provavelmente não consegue ser consigo mesmo. Transmita a esse agente a realidade toda! É como ir ao médico – ele deve saber a situação total e detalhada. Só assim é que ele pode ajudar. É verdade que terá que pagar uma comissão. Mas sair da situação com ajuda de um profissional competente é mais fácil. Esse deve ser o objetivo principal!

Isto traz-nos uma lição importante que você deve aprender rapidamente: você não está sozinho! Há pessoas que estão de cabeça fria e que o podem ajudar. Procure bons profissionais! Oiça-os!! Aplique soluções!!!

Deixo-lhe com uma apresentação de um jovem português extraordinário, numa das suas palestras motivacionais – uma palestra dedicada a emprego, projetos e empresariado. Veja, reveja e motive-se! Desejo-lhe a melhor sorte! Se precisar dos meus conselhos, estarei aqui para falarmos.

 

Gostou? Partilhe, comente … passe a palavra! Obrigado!

Filed in: Dicas

Sobre o Autor ()

Actualmente trabalha como agente imobiliário, em Portugal. Formado em Engenharia Técnica de Eletrónica e Telecomunicações. Estudou Marketing na Universidade Politécnica de Madrid (CEPADE). Webmaster do site www.milfontes.net.

Comentários (3)

URL Trackback | Feed RSS de Comentários

  1. Maria Soares diz:

    Muito bom, parabéns.

  2. Rute Pereira diz:

    Bom dia,
    parabens pelo seu site.
    Uma imobiliária procedeu à promoção e vendeu-me uma casa
    que se encontrava hipotecada.
    Procedi à assinatura do CPCV na imobiliária e entreguei lá um cheque de 20.000 €.
    Não consegui obvimanete escriturar a casa e o cheque foi levantado de imediato.
    Deste modo, não sei o que fazer.
    Acha que me pode esclarecer?
    Obrigado
    RP

    • Cara D. Rute Pereira,

      Se não cumpriu com a sua parte no CPCV (contrato de promessa de compra e venda) poderá sujeitar-se a perder o sinal.

      Se, por outro lado, achar que seria justo obter o sinal de volta, sugiro que contrate um advogado para a ajudar a recuperar esse dinheiro, caso isso seja possível.

De Volta ao Topo