Fazer negócios com amigos

28 de Março de 2013

A venda de uma casa é uma das coisas mais sérias que uma família pode gerir ao longo da vida. Estamos a falar de muito dinheiro envolvido. E estamos a falar de meses, ou anos, de vida de uma família inteira que pode, ou não, ficar em stand-by dependendo da forma como o processo de venda é gerido.

Há várias formas em que os amigos podem aparecer pelo meio do processo de venda. Uma delas é quando é o nosso amigo quer comprar a nossa casa. Outra é quando o nosso amigo quer mediar a venda da nossa casa. Outra ainda é quando o nosso amigo nos está a dar aconselhamento sobre a venda da casa.

Não há qualquer contra-indicação que exclua a possibilidade de um nosso amigo se envolver no nosso processo de venda. Mas há todo um conjunto de problemas que emerge quando a pessoa que se envolve connosco não é competente na sua função. É a competência (e não a amizade) que é a chave para um envolvimento bem sucedido de outra pessoa na nossa tarefa de vender a casa.

 

fazer-negocios-com-amigos

Quando lidamos com amigos num negócio, conhecemos facetas nesses amigos que antes não sabíamos que estavam aí. Por outro lado, mostramos facetas que talvez também possam surpreender esses amigos. É necessário estarmos preparados para surpresas se quisermos lidar profissionalmente com amigos.

Como agente imobiliário, eu tenho experiência de lidar com amigos. Por isso posso dar aqui alguns conselhos sobre a minha própria vivência. Mas, melhor do que isso, também posso aconselhar em função de vivências de clientes meus que tiveram também as suas experiências com os amigos – umas boas e outras más.

Vale a pena fazer negócios com amigos ?

Quando você está prestes a fazer negócios com amigos, o melhor a fazer é tomar uma decisão prévia: vale, ou não, a pena avançar para essa área desconhecida na relação com esses amigos? Por exemplo, se soubermos que o nosso amigo é demasiado temperamental isso não nos incomoda quando ele vai lá a casa. Mas podemos não estar para aturar esse temperamento quando o negócio estiver a decorrer. Será que o nosso amigo é uma pessoa de muito bom senso? Se não for de muito bom senso, podemos continuar a ir ao futebol com ele e vê-lo a insultar o árbitro, mas talvez não seja essa pessoa que queremos a relacionar-se connosco na venda da nossa casa.

A chave para decidir fazer negócios com amigos é seleccionar a pessoa em função competência na área profissional de que necessitamos!

Franqueza

Outro aspeto importante é a franqueza. A franqueza é sempre um teste às nossas amizades. Franqueza não é “ter o coração ao pé da boca”. Franqueza não é dizer o que nos vai na cabeça sem qualquer cuidado. Franqueza é muito melhor do que isso: é transmitir uma decisão de uma forma assertiva, mas cordial. É comunicar um desapontamento de uma forma aberta mas com o cuidado que sempre deveríamos ter com qualquer pessoa e, muito mais, com um amigo nosso.

A amizade tem sempre dois sentidos: nós escolhemos o nosso amigo para se envolver num negócio connosco pela sua competência (é claro!), mas também porque temos confiança nele. E o nosso amigo escolhe dar-nos o melhor serviço porque é assim que ele trata os seus melhores clientes, (é claro!) e porque é nosso amigo.

Quando eu compro uma coisa a um amigo eu peço desconto em nome da amizade? Porque é que eu não dou uma gorjeta em nome da mesma amizade?!

Se não está disposto a separar as águas e a tratar o seu amigo como o profissional que ele é … procure um profissional que não seja necessariamente seu amigo.

Um exemplo que o vai fazer entender melhor o tema de fazer negócios com amigos

Se o seu filho tiver que ser operado e você tiver um amigo que é cirurgião – você escolhe o seu amigo em nome da amizade, ou escolhe o melhor profissional que encontrar em nome da defesa da vida do seu filho? Porquê ter uma atitude diferente no que diz respeito à venda do seu bem material mais valioso?

E se o seu amigo cirurgião for o melhor profissional disponível – você vai rejeitá-lo por ser seu amigo? Porquê ter uma outra qualquer atitude quando escolhe a pessoa que o pode ajudar a vender a sua casa?

Se um amigo lhe quiser comprar a casa – você faz um desconto por ele ser seu amigo? Então e se ele pagasse um pouco mais, em nome dessa mesma amizade?

Competência é a chave!

Competência é a chave! Se o seu amigo estiver na pele de comprador, ele está a ser ‘competente’ na sua função de comprador se estiver a atuar de boa-fé para consigo, como proprietário. Está a ser ‘competente’ se não inventar problemas que não existem. Está a ser ‘competente’ se o tratar de forma justa. Se não for assim, declare-o ‘incompetente’ para comprar a sua casa. Não precisa de lhe dizer, nem de magoar os seus sentimentos. Como ele é seu amigo, ajude-o a comprar outra casa que não seja a sua.

Se não quiser vender-lhe a sua casa nos termos que ele quer pode dizer-lhe: “Acho que seria melhor nós não fazermos este negócio … como somos amigos, vamos os dois entender que não é por causa de eu querer vender por mais e de tu quereres comprar por menos que nos vamos chatear. Ajuda-me a encontrar um comprador para esta casa e eu ajudo-te a encontrar uma casa para ti. Pode ser?”.

Familiaridade

O pior inimigo da amizade misturada com negócio é a familiaridade. Familiaridade significa, por exemplo, que eu relaxo cuidado que tenho relativamente ao meu cliente, porque “ele vai entender … é meu amigo!”. Isto pode refletir-se com detalhes como chegar atrasado, não estar preparado para visitas, não publicitar o imóvel da melhor maneira possível, etc… Isto não pode acontecer! Aliás, isto deve ser falado com antecedência. Familiaridade não deve significar facilitismo! E isto, mais uma vez, é um conceito que tem dois sentidos.

A maior parte das vezes em que as pessoas preferem não trabalhar com amigos tem a ver com este conceito de familiaridade.

Conselho meu: exija sempre profissionalismo, seja cordialmente franco e não deixe que a familaridade estrague isto. Se tiver dúvidas sobre misturar negócios com amizade, reflita bem e, eventualmente, escolha outra pessoa que não o seu amigo. Se for esse o caso, não deixe de ter uma conversa franca com o seu amigo porque … afinal é o seu amigo.

A amizade é muito importante! Mas se a defesa dos interesses da sua família estiverem a ser incompatíveis com alguma amizade, então você sabe que algo está mal e não deveria ser assim.

Fazer negócios com amigos tem muitas vantagens, incluindo a confiança que você pode depositar na outra pessoa e o facto de que esse negócio pode inclusivamente reforçar a amizade.

Nunca deixe um negócio estragar uma amizade. Mas também nunca deixe uma amizade estragar um negócio, principalmente se estivermos a falar da sua sua casa e todo o valor material e emocional que ela representa!

Filed in: Dicas

Sobre o Autor ()

Actualmente trabalha como agente imobiliário, em Portugal. Formado em Engenharia Técnica de Eletrónica e Telecomunicações. Estudou Marketing na Universidade Politécnica de Madrid (CEPADE). Webmaster do site www.milfontes.net.

Não se aceitam mais comentários

De Volta ao Topo